domingo, agosto 7, 2022
InícioGeralChuva de meteoros Perseidas tem auge nesta quarta, 11

Chuva de meteoros Perseidas tem auge nesta quarta, 11

Entre julho e agosto, anualmente, toda a população é capaz de observar um dos fenômenos mais chamativos no céu — a chuva de meteoros Perseidas.

Esse evento ocorre devido ao movimento orbital da Terra, que periodicamente retorna à região onde estão os destroços da passagem do cometa Swift-Tutle. A partir da próxima quarta-feira, dia 11 de agosto, esse fenômeno entrará em seu auge e permitirá que diversos observadores contemplem os resquícios da rara aparição do cometa.

Bill Cooke, chefe do Escritório de Ambiente Meteoroide da NASA, informa que sob as condições ideais — incluindo céu noturno e região sem a poluição luminosa da cidade grande — cerca de 80 meteoros serão visíveis a cada hora.

Chuva de meteoros Perseidas tem auge nesta quarta, 11

Neste ano, os meteoros vêm aparecendo no céu noturno desde o final do mês de julho, mas seus números aumentaram gradualmente nos últimos dias, levando os especialistas a calcularem que o fenômeno atingirá seu pico a partir das primeiras horas de amanhã (11) e se estenderá até a sexta-feira (13).

Encontrar os meteoros no céu noturno não é uma tarefa complicada sob as condições citadas por Cooke, mas sua observação pode não ser tão favorável no Brasil. A chuva ocorre em direção à Constelação de Perseu, mais visível no hemisfério norte ou regiões do hemisfério sul próximas à linha do Equador.

Nesse sentido, haverá melhor visibilidade para os observadores na região Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil. Os Perseidas poderão ser vistos no céu noturno a partir da madrugada da quinta-feira (12), às 02h00.

Habitantes das regiões sudeste do país podem ter dificuldade para encontrar os meteoros Perseidas, portanto, sua visibilidade é mais nítida durante seu pico. Para as cidades localizadas abaixo de 30 graus na latitude sul, basicamente no estado do Rio Grande do Sul, o fenômeno não será visível.

O cometa Swift-Tutle, orbitando o sistema solar, dá as caras nas proximidades observáveis do nosso planeta a cada 133 anos. Anualmente, a órbita terrestre intercepta os fragmentos deixados pelo cometa, que caem sobre a atmosfera a uma incrível velocidade de 209 mil km/h, fazendo com que queimem e rasguem o céu em um rastro luminoso.

A última aparição do cometa foi em 1992, ou seja, voltará ao céu observável apenas em meados de agosto de 2125.

Com informações do portal TudoCelular.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias