segunda-feira, agosto 8, 2022
InícioPolíticaMourão rebate matéria do Jornal ‘O Estado de S. Paulo’

Mourão rebate matéria do Jornal ‘O Estado de S. Paulo’

‘Vai ter eleição, não somos república de bananas’, diz Mourão sobre suposta ameaça de Braga Netto; veja repercussão. Segundo reportagem do jornal ‘O Estado de S. Paulo’, interlocutor do ministro da Defesa avisou o presidente da Câmara, Arthur Lira, de que não haveria o pleito no ano que vem se o voto impresso não fosse aprovado.

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou, nesta quinta-feira, 22, que “é lógico” que haverá eleições no Brasil em 2022, mesmo se o Congresso não aprovar a PEC do voto impresso, uma das bandeiras do presidente Jair Bolsonaro. “É lógico que vai ter eleição. Quem é que vai proibir eleição no Brasil? Por favor, gente, isso aí. Nós não somos república de banana”, disse a jornalistas ao chegar no Palácio do Planalto.

Mourão comentou reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, que relatou uma ameaça do ministro da Defesa, Walter Braga Netto, ao presidente da Câmara dos DeputadosArthur Lira (PP-AL). De acordo com o periódico, um interlocutor do general enviou o recado de que não haveria eleições em outubro do ano que vem se o voto impresso não fosse aprovado. Em nota, Braga Netto pontuou que “as Forças Armadas atuam sempre e sempre atuarão dentro dos limites previstos na Constituição”.

Em seu perfil no Twitter, Lira disse que “a despeito do que sai ou não na imprensa, o fato é: o brasileiro quer vacina, quer trabalho e vai julgar seus representantes em outubro do ano que vem através do voto popular, secreto e soberano”. Presidente do Senado e do Congresso Nacional, o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) declarou que “seja qual for o modelo, a realização de eleições periódicas, inclusive em 2022, não está em discussão. Isso é inegociável. Elas irão acontecer, pois são a expressão mais pura da soberania do povo. Sem elas não há democracia e o país não admite retrocessos”.

A reportagem do “Estadão” gerou repercussão entre parlamentares, governadores e integrantes do Judiciário brasileiro. Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Luis Roberto Barroso afirmou que “temos uma Constituição em vigor, instituições funcionando, imprensa livre e sociedade consciente e mobilizada em favor da democracia”. O ministro Gilmar Mendes destacou que “os representantes das Forças Armadas devem respeitar os meios institucionais do debate sobre a urna eletrônica. Política é feita com argumentos, contraposição de ideias e, sobretudo, respeito à Constituição. Na nossa democracia, não há espaço para coações autoritárias armadas”.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS), líder da bancada feminina no Senado, escreveu, em suas redes sociais que “as constantes ameaças às instituições, às eleições e à democracia, precisam de reação imediata, clara e direta”. “Basta de relativizar o absolutamente intolerável”, acrescentou. Os deputados federais Fábio Trad (PSD-MS), Ivan Valente (PSOL-SP) e Fernanda Melchionna (PSOL-RS) protocolaram requerimento de convocação de Braga Netto à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados e à comissão especial que analisa o voto impresso.

“Exigimos explicações sobre os fatos. Ministro da Defesa tem que defender a democracia; jamais ameaçá-la”, disse Trad, em um tuíte. “Defendo o imediato chamamento do ministro à Câmara dos Deputados para se explicar sobre os fatos. Nossa Democracia não pode viver sob chantagem. A Constituição do Brasil resistirá”, afirmou em outra publicação. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), um dos presidenciáveis, também se manifestou: “Não serão ameaças golpistas e autoritárias que vencerão a democracia brasileira. Nossas instituições são sólidas. Teremos eleições em 2022”.

Com informações do portal Jovem Pan.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias